Mulher, sucesso, Rock and Roll e Rita Lee

Rainha do rock: essa é uma das definições mais honestas que podemos dar para Rita Lee, mas, vejam bem, o destino é uma coisa tão maluca, que não foi Rita quem escolheu a música. A música escolheu Rita! Nos seus planos e sonhos, ela queria mesmo era ser artista de cinema. Porém, a música sempre esteve ali, lado a lado da garota, que, na adolescência, mal podia imaginar que a formação de um grupo musical, com mais duas amigas, seria o primeiro passo rumo a uma trajetória de sucesso.

Fotografia de Wikipedia

O trio era nomeado “Teenage Singers” (Cantoras adolescentes) e fazia participações em shows e festas colegiais. Após um ano de sua formação, Rita Lee conheceu o grupo masculino “The Wooden Faces”. Ela foi, então, convidada a se juntar ao grupo, formando a banda “Six Sided Rockers” posteriormente chamada de Q’seis. A banda chegou a gravar um disco com duas músicas e, mesmo com a saída de três membros, os músicos que ficaram, não desistiram e resolveram acreditar no projeto. Formaram, assim, “Os Mutantes”. Segundo especialistas, a maior banda na história musical do Brasil! Essa classificação, na verdade, pouco significa para Lee. Apesar de Os Mutantes terem sido o estopim que ela precisava para se lançar rumo ao sucesso, sua saída conturbada da banda fez dessa parte da história de sua carreira, um passado quase renegado pela artista.

Excêntrica e competente, Rita Lee, logo mostrou ao que veio. Com sua voz rouca, a cantora conseguiu desvincular sua imagem de integrante dos Mutantes e lançou muitos sucessos solo, entre eles “Agora só falta você” e “Ovelha Negra”.

A mulher que foi punida para servir de exemplo aos jovens durante a ditadura, na verdade, fez o mundo se render a força feminina na música. Vendeu mais de 55 milhões de discos e se tornou a mulher que mais vendeu discos no Brasil.

Acostumada a incendiar os palcos, hoje, com 71 anos, ela afirma que sua atitude mais rock and roll nos últimos tempos tem sido cuidar da horta e de seus animais. Tudo bem Lee, o seu legado musical continua unindo e encantando gerações! O máximo que podemos fazer agora é agradecer ao destino por ter levado você até a música e ter mostrado ao mundo “com seu útero e ovários” que não precisa ter colhões para cantar ROCK AND ROLL!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s